Parque estadual do Cantão
Home > Notícias > Oficina possibilita troca de experiências no Cantão

Oficina possibilita troca de experiências no Cantão

Consideradas de grande relevância para o desenvolvimento do turismo no Parque Estadual do Cantão, as oficinas (abertas) de Ecoturismo e Técnica do Pró-Cantão – Projeto TFCA/Funbio (Fundo Brasileiro para a Biodiversidade), que aconteceram entre os dias 29 e 1º de julho, na sede do Parque, em Caseara, reuniu especialistas nas áreas de ecoturismo e pesquisa. Na ocasião os participantes puderam compartilhar suas experiências de gestão em diversos segmentos e locais distintos entre si. Dentre eles, os projetos e trabalhos da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, no Amazonas; o Parque de Valles Calderas, em Novo México (EUA); e o Parque Nacional de Manu, no Peru. Os diálogos subsidiarão os gestores e comunidade local para a abertura ao uso público do Parque Cantão, previsto para junho de 2013.

Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá (AM)

O turismólogo Rodrigo Osório relatou como foi a criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, no estado do Amazonas, destacando o Projeto de Manejo Sustentável do Pirarucu (Arapaima Gigas) e como ele culminou na instalação de um hotel flutuante denominado Pousada Uacari, criada para gerar renda através do ecoturismo e da venda de artesanato produzido pelas famílias que compões as sete comunidades envolvidas no projeto. Segundo Osório, atualmente esta reserva é referência mundial no segmento de Turismo de Base Comunitária e Ecoturismo, sendo destaque em revistas de renome mundial e agências de turismo especializadas. “A pousada Uacari já está em pleno funcionamento há 10 anos e hoje consegue ter um gerenciamento eficiente do lucro obtido com o ecoturismo, sendo que os recursos provenientes do lucro gerado são atualmente divididos entre o pagamento da guarda ambiental e o depósito em um fundo para capacitação e melhoramento das comunidades, sendo que este somente é manejado conforme apresentação de um projeto sólido que a comunidade apresenta ao conselho deliberativo instalado pelas sete associações de moradores/ribeirinhos que compõem a Reserva de Mamirauá”, explicou.

Rodrigo destacou ainda que para sucesso desse tipo de empreendimento, o desenvolvimento do ecoturismo e do ecoturismo de base comunitária tem que promover os três principais aspectos que despertam o interesse do visitante: a vida selvagem, cultura, pesquisa e conservação. “O Parque Estadual do Cantão tem o potencial necessário para atingir o nível ideal para este segmento, já que consegue abranger esses elementos”, frisou Osório, que viu ainda como ponto positivo a iniciativa do Naturatins, do Instituto Araguaia e Onça-D'água em buscar uma oficina como essa para o desenvolvimento do ecoturismo no Parque do Cantão.

Parque de Valles Calderas (EUA)

A pesquisadora Melissa Savage, do Parque de Valles Calderas, localizado na cidade de Santa Fé no estado de New México (EUA), detalhou como é o funcionamento da reserva, que atualmente é sustentada pela promoção de pesquisas ambientais da fauna e flora local, e também pela contribuição dos grupos de caçadores e pecuaristas da região, que ao longo dos anos buscaram um balanço entre suas atividades e a preservação do parque.

Dentre as abordagens, Savage também ressaltou o manejo do gado no interior do parque. Segundo ela, foi uma longa discussão de negociação feita com os representantes do setor ao longo dos anos, e que atualmente se converteu em recursos para a manutenção das pesquisas realizadas no parque, já que os proprietários pagam taxas para que seja permitido o pastoreio nas pastagens de Valles Calderas.

Ao ser questionada pelos participantes da oficina de como é feito o processo para caça em New Mexico, Savage explicou que, para a abertura de temporada de caça, existe um sorteio entre os grupos pré-estabelecidos para que algum possa naquele ano realizar a caça, além do pagamento de taxas para a inscrição e manutenção das licenças.

Na ocasião, Savage apontou as dificuldades observadas durante a visita ao Parque do Cantão, dentre elas a pesca predatória, como algo semelhante à cultura cowboy do pastoreio de gado no estado onde reside. “O fato do PEC ter a riqueza de atrativos, uma área gigantesca e um ecossistema tão exuberante é algo que tem que ser trabalhado em constante parceria com as colônias de pescadores e as comunidades locais para que o impacto das atividades exploratórias seja diminuído ao longo dos anos”, disse.

A especialista também enfatizou a qualidade desta oficina, realizada para promover o ecoturismo e a participação efetiva de todos os ouvintes através de perguntas e questionamentos, o que demonstra a vontade de todos em fazer dar certo a atividade no Cantão.

Parque Nacional de Manu (Peru)

Para encerrar a oficina, o doutor Robert Williams, da Sociedade de Zoologia de Frankfurt, iniciou sua apresentação contando a história das ariranhas desde a colonização espanhola no Peru até quase sua completa extinção, na década de 70. Através de uma linha do tempo, Robert ilustrou o início do projeto “Lobo de Rio”, da Sociedade de Zoologia de Frankfurt, no início da década de 1990 no Parque Nacional de Manu, localizado próximo à cidade de Cuzco, em Madre de Dios. Segundo ele, a região é composta por 140 lagos e, destes, apenas 40 são grandes o suficiente para abrigar as famílias de ariranhas. Desse modo, o PN de Manu tornou-se um ambiente propício para a concentração de várias espécies de animais como araras, onças, primatas, entre outros típicos da Amazônia, o que lhe concede o título de parque com a maior biodiversidade do mundo.

Segundo Williams, o turismo já é a segunda maior fonte de renda do Peru e a região do PN de Manu tornou-se uma das áreas mais apropriadas para a visitação do ecoturista. Com isso, conseguem atrair para a região de mais de 45 mil visitantes por ano, o que é altamente rentável, trazendo enormes resultados para a administração do Parque Nacional de Manu.

Com o relato da experiência na área de pesquisa, aliada ao ecoturismo, Robert fez um comparativo de sua reserva no Peru com a situação atual do Parque do Jalapão e declarou que um dos pontos positivos é a criação de projetos e oficinas que conscientizem a população local da importância da preservação da riqueza da biodiversidade do PEC. “Como ainda está no início do desenvolvimento do ecoturismo na região, pode-se começar da forma correta e sustentável, uma vez que existem exemplos concretos de se fazer isso e assim evitar erros desnecessários, ainda mais com a excelente participação dos presentes e o engajamento de todos durante todas as atividades e palestras da Oficina de Ecoturismo”, relatou Robert.

Parque do Jalapão (Tocantins)

Convidada para o evento, a bióloga do Parque Estadual do Jalapão, Rejane Ferreira, fez uma apresentação detalhada sobre a geografia, fauna e flora do PEJ e também um demonstrativo através de imagens sobre a cultura, artesanato e a população jalapoeira. Os atrativos turísticos no parque e nas Áreas de Proteção Ambiental – APA, a Estação Ecológica e Parque Nacional, bem como as ações da equipe do parque em parceria com as comunidades, quilombolas, artesãos, prefeitura, ICMBIO e IBAMA foram também expostas durante a apresentação.

Na oportunidade, o presidente da Adtur - Agência de Desenvolvimento Turístico do Tocantins, Lúcio Flavo Adorno, e o subsecretário da Secretaria de Ciência e Tecnologia, Mário Bezerra Guimarães, ressaltaram a importância de oficinas e iniciativas como essa para o desenvolvimento do ecoturismo no Estado do Tocantins, e que o Naturatins, juntamente, com as outras instituições parceiras, está de parabéns por esse novo projeto de transformar o Parque do Cantão em um local de visitação consciente e sustentável para o desenvolvimento turístico e a pesquisa cientifica.

Fonte: Secretaria do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável: http://www.gesto.to.gov.br/noticias/noticia/2012/7/3/oficina-possibilita-troca-de-experiencias-no-cantao/

tempo agora

Caseara - TO
Sex 22/10 25ºC / 22ºC
Encoberto com Chuvas Isoladas Céu totalmente encoberto com chuvas em algumas regiões, sem aberturas de sol.
www.cptec.inpe.br

você sabia?

As sementes de sucupira (Pterodom emarginatus) são indicadas para tratamento de dores reumáticas...